Em 1975, no âmbito da reestruturação do aparelho central do Estado, foi criado o Ministério da Administração do Interna, através da Lei n.º1/75 de 12 de Novembro.

Por via da supracitada lei, foram criados dez (10) Ministérios e sete (7) Secretarias de Estado, nos quais figurava, também, o então denominado, Ministério da Administração Interna.

Em função da complexidade de tarefas da Reconstrução Nacional a levar a acabo nas Províncias, que exigia a adaptação das estruturas do Estado às necessidades reais de cada momento de modo a responder, de forma eficaz, às tarefas políticas, económicas, sociais e culturais para a realização das aspirações do povo angolano, foi aprovado, promulgado e publicado em Diário da República, em 6 de Julho de 1976, o Estatuto Orgânico do Ministério.

Naquela fase transitória e subsequentemente com a vigência da Lei n.º 1/76, que criou os Órgãos do poder popular, o então denominado Ministério da Administração Interna tinha como atribuições, “assegurar a progressiva institucionalização dos órgãos de Poder Popular, garantir o aprofundamento da qualidade do trabalho daqueles órgãos (…), apoio administrativo e técnico, apoiar a nível local e regional a acção dos departamentos centrais e locais…

E haveria de manter-se assim como Ministério da Administração Interna ate 9 de Abril de 1980, em que passa para Ministério da Coordenação Provincial, que, nos termos do Decreto nº 30/80 de 9 de Abril, visava, alem das atribuições e competências anteriores, a coordenação das acções dos comissariados, as situações globais e especificas de cada Província para poder apoiar o Governo central na definição das medidas adequadas à politica de desenvolvimento regional e local, entre outras.

Em 1991, com a implantação do Multipartidarismo no país e a reestruturação do aparelho Central do estado, a 26 de Julho é aprovado o novo estatuto orgânico do deste Ministério, que passa a denominar-se de Ministério da administração do Território, designação que se mantém ate a actualidade.

O actual estatuto orgânico do Ministério foi aprovado pelo Decreto Presidencial nº3/14, de 3 de Janeiro.